quarta-feira, 22 de junho de 2016

Conferência sobre o livro Repulic of Equals (Minho)

O Grupo de Teoria Política da Universidade do Minho está recebendo inscrições para a conferência sobre o livro de Alan Thomas (York), a ser lançado no próximo semestre, intitulado Republic of Equals: Predistribution and Property-Owing Democracy (Oxford, 2016). Ao lado de teóricos como Martin O'Neil (York) e Stuart White (Oxford), Thomas tem se dedicado a reformular a teoria igualitária a partir dos impactos que a nova economia da desigualdade (e. g. Atkinson, Piketty e Saez) tiveram para o nosso entendimento dos padrões de acumulação de capital nas sociedades democráticas. Uma prévia dos argumentos do livro podem ser encontrados no artigo Rawls, Piketty and the New Inequality de 2016 (ver também o perfil de Thomas na plataforma Academia.edu na qual o autor disponibilizou um rascunho do livro). 

O evento ocorrerá no dia 24 de outubro e os resumos podem ser submetidos até 24 de agosto. 

Conference on Republic of Equals: Predistribution and Property-owning Democracy

Invited key-note speaker: Professor Alan Thomas
When: 24 October 2016
Where: University of Minho, Braga (Portugal)

This conference will discuss some of the central themes of Alan Thomas’s book Republic of Equals: Predistribution and Property-owning Democracy (Oxford University Press, 2016).

Possible topics for submissions include:

- the relationship between liberal and republican traditions in political thought;
- whether political philosophy can address the ‘New Inequality’ in affluent Western Societies from the 1970s to the present day;
- whether a property-owning democracy is a realistic utopian ideal; 
- whether processes of globalisation constrain egalitarian projects;
- the contrast between property-owning democracy and welfare state capitalism;
- the relationship between property-owning democracy and market socialism;
- the relationship between capitalist forms of economic organization and oligarchic forms of governance.
- the relationship between predistribution and redistribution;
- the relationship between basic income and reciprocity,

Abstracts of between 300 to 500 words on any of these topics (or related topics) should be submitted to Roberto Merrill (nrbmerrill@gmail.com) by August 25
Notification of acceptance:  September 1.

It is anticipated that presentations at the conference will be 20 minutes long with 20 minutes reserved for discussion.

NB: The book may be out by the time of the conference (the current plan is October) but Professor Alan Thomas will certainly have the page proofs with correct pagination, which will be available for participants.

Participation fee: 20 euros
This event is organized by the Political Theory Group of CEHUM, University of Minho (Braga),

Contact: Roberto Merrill (nrbmerrill@gmail.com)  

Manifesto internacional em defesa da democracia no Brasil

Concebido pelas pesquisadoras Yara Frateschi (Unicamp) e Mirian Madureira (UFABC), o documento In Defense of the democratic Rule of Law in Brazil mostra o apoio da comunidade acadêmica internacional àqueles que lutam contra o golpe jurídico que destituiu a presidenta eleita Dilma Rousseff em meio deste ano. O documento conta com a assinatura dos principais teóricos e teóricas políticas em atividade, tais como Jürgen Habermas, Axel Honneth, Rainer Forst, Charles Taylor, Nancy Fraser e Pablo Gilabert (a lista completa das assinaturas pode ser encontrada abaixo).

A adesão da comunidade acadêmica internacional ao documento é fruto da constatação, amplamente partilhada na comunidade política internacional e informada pela cobertura internacional da crise política brasileira (muito mais crítica do que a mídia local), de que a destituição da presidenta eleita Dilma Rousseff teve como principais objetivos desmontar as conquistas sociais da Constituição de 88, desregulamentar a economia e utilizar o poder executivo para barrar as investigações contra a corrupção sistêmica no sistema eleitorial-partidário brasileiro.

On the 31st of March 1964, a coup d’état installed a civil-military dictatorship in Brazil, inaugurating a dark 21-year period of suspension of civil and political guarantees. Today, 52 years after, the Brazilian people face once more a break of the democratic order. As a result of the acceptance by the Senate of an impeachment process based on accounting irregularities, Dilma Rousseff, who had been elected in 2014 for a mandate of 4 years, was forced, on the 12th of May 2016, to stand down as President of the Republic. Even though this removal is supposed to be temporary, lasting up to 180 days, period during which the senators should reconvene to evaluate the motives that have resulted in the impeachment process, it is unlikely that Dilma should return to office.
Dilma Rousseff’s temporary removal from office is the culmination of a process characterised by unprecedented arbitrariness and polarisation in democratic Brazilian society, perceptible at least since her re-election in 2014. By attributing the recent corruption scandals exclusively to the Worker’s Party’s (PT) administrations (although they were the only ones who had the courage to investigate them through, even when investigations turned against their own) and by manipulating  public opinion against the supposed risks of a left-wing takeover of the country, the right-wing opposition to Dilma Rousseff’s government took advantage of the economic crisis that emerged after years of stability and growth and led a violent media campaign against it. It managed to aggregate against the Workers’ Party (PT) and Lula’s and Dilma’s governments large sections of business elites and conservative middles classes, as well as authoritarian sectors represented in Congress and in the Judiciary, evidently aiming the hammering down of the social rights secured by Dilma’s government and the deregulation of economy. Besides, once in power, they will probably decline to further investigate corruption as it is likely to involve their own people, as opposed to Dilma Rousseff, whose probity in the administration of public affairs is not doubted, as corruption charges are not part of the impeachment process.
The impeachment is a juridical tool of extremely restricted scope in Brazilian presidentialism. It is regulated by Art.85 of the Brazilian Constitution of 1988, and its use is restricted to cases involving serious offenses (crimes de responsabilidade, “responsibility crimes”) carried out by the President. As the accounting irregularities in the administration of public funds that Dilma Rousseff is accused of are not serious offenses in the sense prescribed by the Constitution, it is evident that this impeachment is not legitimately grounded. Furthermore, the whole process was full of questionable aspects, which contribute to add further illegitimacy to its results. Therefore, it is not an exaggeration to consider the present impeachment process against Dilma Rousseff a white coup, which will yield long-lasting consequences to the democratic Rule of Law in Brazil.
In the face of all this, we consider necessary to state our absolute repudiation of the illegitimate destitution of President Dilma Rousseff, and our strong support for the maintenance of the Rule of Law in Brazil.
Albena Azmanova – University of Kent, Belgium
Alessandro Ferrara – University of Rome Tor Vergata, Italy
Alina Valjent – Witten/Herdecke University – Germany
Allan Breedlove –Loyola University Chicago, USA
Alois Blumentritt – University Wien, Austria
Amy Allen – Pennsylvania State University  – USA
Anahi Wiedenburg – London School of Economics, Argentina/UK
Andreas Niederberger – Universität Duisburg-Essen, Germany
Anna Dißmann – Witten/Herdecke University – Germany
Arthur Oliveira Bueno –University of Erfurt, Germany
Asger Sorensen – Aarhus University, Denmark
Axel Honneth – University of Frankfurt/Columbia University, Germany/USA
Aysen Candas – Bogazici University, Istanbul, Turkey
Barbara Fultner  – Denison University, USA
Bernat Riutort Serra – University of Illes Ballears –Spain
Brian Milstein – Goethe University Frankfurt, USA/Germany
Carlos Henrique Santana – TU Darmstadt, Germany
Charles Taylor – Mc Gill University, Canada
Christopher Zurn – University of Massachussetts/Boston, USA
Cora McKeena – Trinity College, Ireland
Cristina Sánchez – Autonomous University of Madrid, Spain
Dan Swain – Czech University of Life Sciences, Czech Republic
Daniele Santoro – CNR, National Research Council of Italy, Italy
David Alvarez – University of Minho/Braga, Portugal
David Rasmussen – Boston College, USA
Debora Spini – Syracuse University in Florence, Italy
Dónal O’Farrell – Trinity College Dublin, Ireland
Elisabeth v. Thadden – University of Jena, Germany
Felicia Herrschaft – Goethe University Frankfurt, Germany
Filip Vostal – Czech Academy of Sciences, Czech Republic 
Firica Stefan – University of Bucharest, Romania
Francisco Naishtat – Universidad de Buenos Aires –Argentina
François Calori – Université de Rennes 1, France
Gesche Keding – Jena University, Germany
Giulia Lasagni – Università de Parma, Italy
Giuseppe Ballacci – University of Minho, Portugal
Gorana Ognjenovich – University of Oslo, Norway
Gustavo Leyva Martínez – Universidad Autónoma Metropolitana, México
Hans-Herbert Kögler – University of North Florida, USA
Hartmut Rosa – Jena University, Germany
Heikki Ikäheimo – University of New South Wales, Australia
Igor Shoikhedbrod – University of Toronto, Canada
Isadora Henrichs – Trinity College Dublin, Ireland
Italo Testa – Parma University, Italy
Jazna Jozelic – University of Oslo, Norway
João Honoreto – University  of Witten/Herdecke, Germany
Joaquín Valdivielso-Navarro – Universitat Illes Balears, Spain
Johan Söderberg – Göteborg University, Sweden
Johanna Oksala – University of Helsinki, Finland
Johannes Schulz – Frankfurt University, Germany
John Lumsden – University of Essex, UK
Jonathan Bowman – University of Arkansas, USA
Julian Culp – University of Frankfurt, Germany
Jürgen Habermas – J.W. Goethe Universität Frankfurt, Germany
Karoline Rhein – Witten/Herdecke University – Germany
Kendralyn Webber  –University of California Riverside, USA
Lenny Moss – University of Exeter, UK
Leonardo da Hora Pereira – Université Paris Ouest Nanterre La Défense, France
Lorenz Mrones – University of Witten/Herdecke, Germany
Luiz Gustavo de Cunha de Souza – Institut für Sozialforschung/Frankfurt –Germany
Marco Solinas – Florence University, Italy
Marek Hrubec – Czech Academy of Sciences, Czech Republic
Maria Ines Bergoglio – Universidad nacional de Córdoba, Argentina
María José Guerra – Universidad de Laguna –Spain
María Pía Lara – Universidad Autónoma Metropolitana, Mexico
Marjan Ivkovic – University of Belgrade, Serbia
Mark Haugaard – University Galway – Ireland
Marlon Urizar Natareno, Universidad Rafael Landívar, Guatemala
Martin Javornicky – University of Galway, Ireland
Martin Sauter – n/a –Ireland
Martin Seel – J.W.Goethe Universität Frankfurt, Germany
Masao Higarashi – Ritsumeikan University –Japan
Matteo Bianchin – University of Milano, Italy
Matthias Kettner – University of Witten/Herdecke, Germany
Matthias Lutz-Bachmann – J.W. Goethe Universität Frankfurt, Germany
Melis Menent – University of Sussex, UK
Miriam Mesquita Sampaio de Madureira – Universidad Autónoma Metropolitana, México
Mykhailo Minakov – Kiev-Mohyla Academy, Ukraine
Nancy Fraser –New School for Social Research, USA
Nancy Love –Appalachian State University, USA
Natalia Frozel Barros –University of Paris 1, France
Nathan Cogné – Trinity College Dublin, Ireland
Nicola Patruno – Goethe University Frankfurt, Germany
Niklas Angebauer – University of Essex, UK
Odin Lysaker – Agder University, Norway
Ojvind Larsen – Copenhagen Business School, Denmark
Onni Hirvonen – University of Jyväskylä, Finland
Pablo Gilabert – Concordia University, Canada
Patrick O’Mahonny – University College Cork –Ireland
Philipp Schink – J.W. Goethe Universität Frankfurt, Germany
Philippe Sonnet – Université Catholique de Louvain, Belgium
Pierre Schwarzer – Universität Witten/Herdecke, Germany
Radu Neculau – University of Windsor, Canada
Rahel Jaeggi – Humboldt University Berlin, Germany
Rainer Forst – University of Frankfurt, Germany
Richard Stahel – University of Constantin the Philosopher in Nitra, Slovak Republic
Robert Fine – Warwick University, UK
Robin Celikates – University of Amsterdam, The Netherlands
Rodrigo Cordero – Universidad Diego Portales –Chile
Ronan Kaczyznski – Goethe University, Germany
Rosie Worsdale – University of Essex, UK
Ruy Fausto – USP/Université de Paris 8, Brazil/France
Steven L. White – Wayne State University, USA
Susan L. Foster – UCLA, USA
Thomas Fossen – Leiden University, The Netherlands
Valerio Fabbrizi – University of Rome, Tor Vergata, Italy
Wolfgang Heuer – Freie Universität Berlin, Germany
Zuzana Uhde – Czech Academy of Sciences, Czech Republic

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Honneth: Moralidade e Livre-Mercado

O filósofo alemão Axel Honneth (Goethe/Columbia) foi premiado pela Universidade de Dublin com o prêmio Ulysses por "sua carreira dedicada à filosofia social e à teoria teoria crítica". Honneth é um dos filósofos europeus mais influentes em atuação e um dos mais importantes representantes da teoria crítica (Jurgen Habermas, outro importante representante dessa tradição, já havia recebido o prêmio em 2010). 

Em sua conferência de agradecimento (ver abaixo), Honneth desenvolveu algumas das teses apresentadas em sua última obra Freedom's Right: The Social Foundations of Democratic Life de 2014 (ver aqui uma resenha do livro). Particularmente, Honneth contrasta três atitudes, ou reações morais, despertadas em relação aos mercados. Desde seu surgimento histórico como a forma mais importante de coordenação das atividades econômicas e de investimento nas sociedades modernas, o livre-mercado teria despertado três formas antagônicas de reação moral: (i) a defesa incondicional do livre-mercado como melhor forma de alocação de recursos e promoção de bem-estar social, (ii) a defesa de restrições morais às forças de mercado, ainda que seu valor como sistema alocativo seja reconhecida e, finalmente, (iii) a crítica das promessas associadas ao livre-mercado, seja como melhor forma de alocação de recursos (e. g. crises sistêmicas) seja  como forma de promoção do bem-estar social (e. g. exploração econômica).

Segundo Honneth, as três reações originais ainda poderiam ser encontradas no debate atual, respectivamente, (i) na ortodoxia econômica e no establishment social das democracias desenvolvidas, (ii) nos defensores de reformas econômicas e movimentos de ampliação de direitos sociais e -especialmente após a crise financeira de 2008 - (iii) nas críticas anti-capitalistas ao atual sistema econômico mundial. Tomando os trabalhos sociológicos de Durkheim e Hirschman como principais referências sobre os pressupostos normativos do livre-mercado, Honneth argumenta que apenas as reações próximas à (ii) seriam capazes de nos orientar frente aos limites normativos do mundo mercantilizado.

Isto é, à maneira de Hegel, são rejeitados, de um lado, os pressupostos individualistas do modelo econômico neo-clássico e, de outro, as principais objeções socialistas ao livre-mercado, como a tese da exploração da mais-valia nas relações de produção capitalista e a falta de liberdade efetiva da classe trabalhadora (mais precisamente, Honneth as toma como reivindicações empíricas, a serem decididas caso à caso ao invés de uma verdade conceitual). O objetivo é defender uma concepção comunitarista de justiça segundo a qual as instituições de mercado deveriam ser restritas por outras instâncias eticamente importantes de reconhecimento - como a solidariedade entre iguais em cidadania. consideração segundo a qual reformas estruturais na distribuição de recursos. Essa conclusão é compatível com a sua ideia de "liberdade social" segundo a qual a cooperação voluntária entre membros de uma mesma comunidade moral é uma condição de possibilidade para a liberdade coletiva.

As conclusões são relativamente previsíveis, dados os trabalhos anteriores de Honneth sobre o assunto. Ainda assim, alguns dos argumentos comunitaristas de Honneth são interessantes uma vez que procuram justificar reformas econômicas profundas como a abolição (e não apenas a regulação) do direito de herança a partir dos impactos negativos que a desigualdade de oportunidades sociais acarreta para a vida em comunidade.

Outros posts relacionados ao novo projeto de Honneth podem ser encontrados abaixo:

domingo, 12 de junho de 2016

O governo dos sem-voto no país da escravidão

Por Lucas Petroni

A posse do governo Temer foi marcada por duas grandes ausências. A primeira, mais destacada pelas ruas dos movimentos sociais e pela imprensa internacional do que pela grande mídia, é a ausência de legitimidade política do governo interino. Um governo de sem-votos desesperados por implementarem reformas ultra-conservadoras que até hoje nunca foram aceitas pelas urnas. Ausência de legitimidade que ficou ainda mais evidente com a confirmação de que a direita coordenou suas ações para impedir que o desdobramento da Lava Jato colocassem as cúpulas partidárias na cadeia.

A segunda ausência, mais destacada na mídia nacional do que a primeira, é a patente ausência de mulheres na composição do primeiro escalão do governo. A destituição ilegítima da primeira presidenta do Brasil foi celebrada politicamente pelos setores conservadores com o desmonte imediato das políticas de igualdade de gênero, ampla concessão à bancada evangélica (incluindo a nomeação de uma militante religiosa anti-aborto para a coordenação das políticas federais para as mulheres) e a uma série de declarações assustadoras de seus aliados, como a afirmação do secretário de segurança de São Paulo de que os intoleráveis índices nacionais de casos de violência de gênero devem ser explicados pela crise econômica. Não é exagero afirmar que a reação ao governo androcêntrico de Temer foi mais um dos estopins da já chamada "primavera feminista" no Brasil.

Esses são apenas alguns dos motivos pelos quais a foto do governo interino está fadada a assombrar a a nossa geração pelas próximas décadas. Contudo, existe uma terceira ausência evidente nessa mesma foto que foi bem menos reconhecida que as duas primeiras.

Chama a atenção (ou melhor: deveria chamar a atenção) o fato de que, além de exclusivamente conservador e masculino, o governo interino é exclusivamente formado por proprietários brancos. Em um país no qual a maioria da população se declara não-branca e que possui uma das culturas mais africanas do mundo, esse fato deveria chocar. Mas a triste verdade é que a elite política brasileira é e sempre foi tão branca em um país tão negro que a esfera pública brasileira tende a naturalizar esse ausência. Ausência essa, diga-se de passagem, que não poupa o governo destituído, que foi duramente criticado este ano pelo relatório da Comissão de Direitos Humanos da ONU.

Além de tantos outros retrocessos - econômico, de gênero, partidário, etc. - o golpe de 2016 tornou evidente aquilo que nunca deveríamos ter esquecido: que a representação política no Brasil opera em um registro de dominação racial e que a nossa política ainda é assombrada pelo espectro da escravidão. Por escravidão me refiro, em primeiro lugar, à escravidão enquanto uma relação social de produção, um sistema cruel e abjeto que durou mais de 300 anos e que condenou ao exilo, tortura e terror sistemáticos, mais de 4 milhões de africanos e africanas.

Mas me refiro também àquilo que os abolicionistas brasileiros, como Joaquim Nabuco e André Rebouças, costumavam chamar de a "obra da escravidão", isto é, o impacto da escravidão na estrutura social brasileira. Abolir a legalidade da escravidão é uma coisa, garantir que seus efeitos não se reproduzam nas principais instituições sociais do país, tal como o sistema representativo, é outra.

A grande obra do período continua sendo o panfleto revolucionário de Rebouças defendendo a democracia agrária no Brasil. O argumento central de Rebouças, em obras como a Democracia Rural Brasileira de 1883, era o de que a demanda pela erradicação da miséria negra seria o segundo passo lógico do movimento abolicionista, algo que, para o autor, só poderia ser levado a cabo no Brasil do século XIX por um ambicioso plano de redistribuição de terras agrícolas (principal forma de riqueza privada). Emancipação legal e democratização econômica andavam passo a passo para Rebouças. Não apenas esse segundo passo nunca foi dado como, veremos adiante, temos boas razões para supor que o amplo sistema de indenizações pagos aos ex-proprietários de escravos tenha funcionado como um instrumento secular de dominação econômica contra os cidadãos brasileiros descendentes de escravos. 

Analistas conservadores e apoiadores do golpe discordarão dessa associação. Seria um completo absurdo histórico e político - segue o argumento- tentar encontrar qualquer associação entre o governo Temer e formas institucionalizadas de racismo - para não falar em algo tão forte quanto dominação racial. Parte dessa resposta encontra-se ancorada no antigo mote conservador de que demandas raciais no Brasil não devem fazer parte da nossa política. A outra parte acredita que passados 128 anos da emancipação dos e das escravas no Brasil nossas clivagens políticas e sociais seriam hoje profundamente diferentes.

Demostrar que o governo dos sem-votos encontra apoio no país da escravidão (ou melhor, da obra da escravidão), e que a história econômica e moral desse instituição é extremamente relevante para pensarmos a política brasileira atual é o objeto deste post. 

Em primeiro lugar, é preciso notar que encontramos a mesma interseccionalidade entre, de um lado, a composição ministerial de Temer e, de outro, o suporte popular ao golpe. De acordo com a série de pesquisas realizadas pela equipe de Pablo Ortellado ao longo dos protestos contra o governo Dilma na cidade de São Paulo, o perfil sociocultural dos protestantes é homogêneo e similar ao do novo governo: um grupo formado em sua maioria por homens, com ensino superior completo e auto-declarados brancos. Na  última grande manifestação antes do golpe, no dia 31 de março deste ano, 52% dos manifestantes eram homens, 58% afirmaram ter curso superior completo e mais de 60% se declararam brancos. 

Ainda relacionado aos protestos de rua organizados pela direita, chama a atenção os fatores sociais que despertam a indignação política desse grupo. Tragicamente, os protestos de rua na cidade de São Paulo coincidiram com algumas das piores chacinas ocorridas na região metropolitana, com a morte de pelo menos 23 pessoas e com o envolvimento de policiais militares. Enquanto manifestantes celebravam a Polícia Militar paulista, alguns membros dessa mesma instituição executavam jovens negros e pardos da periferia. Façamos um exercício de imaginação: e se as forças de segurança do governo tivesse caçado e executado 23 jovens brancos de Pinheiros? Na verdade, pior do que alvo de invisibilidade social, a vida da população negra e periférica as vezes é vista como ela própria uma ameaça à segurança pública. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2015 (o documento pode ser acessado aqui) 50% da população das grandes cidades brasileiras concorda com a expressão "bandido bom é bandido morto" sendo que a grande maioria dos/das entrevistados/das que concordam com a frase se autodeclararam brancas e 67% dos autodeclarados brancos dizem estar muito satisfeitos com o trabalho da polícia no Brasil.

Encontramos um retrato chocante da completa falta de compreensão da população paulista sobre a relaidade social de cidadãos negros e pardos no país em uma excelente matéria ao El País escrita pela jornalista Eliane Brum. Brum acompanhou um grupo de ativistas negros e negras que, no último dia 13 de maio, aniversário da abolição da escravidão no Brasil, protestavam em frente ao prédio da FIESP na Av. Paulista, sede dos protestos anti-governo na capital, com slogans como "racismo é golpe". Peço permissão aos leitores a leitoras para citar na íntegra a passagem da matéria na qual Eliane Brum relata as reações dos expectadores diante dos manifestantes negros:

Nas calçadas começa a juntar gente que volta do almoço ou se dirige a algum restaurante. “Que bobagem, não tem racismo no Brasil” e “Vão trabalhar, vagabundos!” são as frases mais ouvidas na plateia espontânea. Ao meu lado, uma dupla de amigos para. Um deles diz, em tom bem alto: “Não existe nada disso! Que frescura!”. Me apresento como jornalista e pergunto: “Por quê?” Ele apresenta-se como José Batista Sobrinho, 76 anos, médico oftalmologista, eleitor do PSDB. E responde:

– Esse racismo no Brasil não existe. Quero dizer, racismo existe no mundo inteiro. Mas no Brasil não é acentuado. Agora, por exemplo: você jamais se casaria com um preto

– Por que o senhor acha isso?, pergunto.

– Parece que é algo internamente que você, como branca, não aceita. Porque você acha que essa raça é mais feia que a sua raça. Mas não é por isso que você vai discriminá-los. É uma pessoa igual a você. Frequenta a minha casa, frequenta a minha mesa, não tem problema nenhum. É uma pessoa igual a mim. Mas eu não me casaria com uma preta.

– Por quê?

– Não gosto. Tem alguns componentes que eu não gosto, coisas íntimas. Preferia uma pessoa diferente, mais clara. Questão de afinidade, de empatia. Mas não é por isso que vou discriminá-las.

– O senhor é a favor ou contra o impeachment da presidente?

– É lógico que sou a favor. Ela quebrou o país. A convulsão social taí. E quem é culpado disso é o PT. Não sou contra o Bolsa Família. Mas tinha que ser Bolsa-Escola, como era no tempo da Ruth Cardoso. Agora é Bolsa-Voto. Vou lhe dar o nome de uma cidade da Bahia que não tem ninguém trabalhando, todo mundo com Bolsa Família. No Nordeste, você não encontra uma doméstica pra trabalhar, porque tudo agora tem Bolsa Família. Mas não sou de Direita, não, não aceito isso.

– Como o senhor se define?

– Sou um liberal correto.

Três jovens mulheres, duas brancas e uma negra, observam o protesto. Os comentários são altos o suficiente para que se possa ouvi-los: “Quero ver esses negões aí na hora de casar. Se vão casar com essas negonas aí. Querem é brancas”. Risadas.


É evidente que nada do que foi mostrado até agora nos leva a afirmar que quem é contra o governo Dilma é racista. Muito menos que podemos simplesmente generalizar a associação entre o perfil dos representantes e dos representados pelo golpe para o país inteiro, com dinâmicas sociais, políticas e raciais próprias. Como vimos acima, o próprio governo Dilma tem muito a explicar pelas falhas no combate ao racismo institucionalizado ao longo dos últimos seis anos. Trata-se apenas de uma essa descrição (seletiva) e não de um argumento. Entretanto, acredito que essa cartografia da relação entre política e raça no Estado de São Paulo sirva para ilustrar como a atual interseccionalidade perversa da elite política brasileira encontra ressonância direta na sociedade civil. 

Em segundo lugar, ela encontra também apoio parlamentar. A instituição da escravidão está longe de ser apenas uma experiência histórica. A lista "suja" do trabalho escravo ou análogo à escravidão continua ser publicada no Brasil (a despeito de tentativas legais de impedi-la). Os partidos de oposição, e especialmente o PMDB de Temer e Cunha, fazem parte da folha de pagamento das empresas flagradas na lista suja do trabalho escravo. 

Já a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária, força política por trás do novo governo e da bancada BBB, tem se empenhado nos dois últimos anos em tentar alterar a definição de trabalho escravo no Brasil. Quatro elementos caracterizam, atualmente, a condição de escravidão na legislação brasileira, respectivamente: (i) trabalho forçado, (ii) servidão por dívida, (iii) condições degradantes (relacionadas à violação dos direitos humanos dos trabalhadores) e (iv) jornada exaustiva. A bancada BBB coordenou seus esforços parlamentares para retirar da legislação os critérios (iii) e (iv) sob o argumento de que eles tenderiam a criar uma situação de insegurança jurídica no setor agrícola, uma vez que flagrado o trabalho escravo, a posse da terra pode ser passível de expropriação. 

Enquanto a equipe econômica do governo Temer procura mostrar que a economia brasileira é segura e moderna o suficiente para atrair investimentos estrangeiros, seu apoio parlamentar luta para proteger empresas escravistas no interior do país. Quantos outros países no mundo podem se orgulhar de terem um lobby da escravidão tão articulado como o nosso?  

Finalmente, é possível conjecturar a respeito de longa duração entre, de um lado, a obra da escravidão e a exclusão sistemática de não-brancos da política. Um conjunto de trabalhos recentes produzido por economistas e historiadores sobre a relação entre a história da escravidão no Atlântico e o surgimento do capitalismo moderno tem corroborado as preocupações históricas de Rebouças e Nabuco a cerca dos impactos da escravidão na estrutura social e na segregação econômica nos países que formaram o sistema econômico escravagista do Atlântico (duas revisões bibliográficas podem ser encontradas aqui e aqui). 

Dois mitos da historiografia tradicional tem sido rejeitados por essa nova geração de historiadores da escravidão, muitas vezes influenciados pelos estudos pós-coloniais. O primeiro deles é a ideia de que existe uma divisão nítida entre os modos de produção econômico agrário-escravocrata, de um lado, e capitalista-industrial, de outro, sendo o segundo uma "evolução" em relação ao primeiro. Autores como Sven Bekert e  Edward Baptist tem mostrado como a produção de commodities ligadas ao trabalho escravo foi crucial para o desenvolvimento tecnológico do sistema fabril e, principalmente, para o acúmulo de capital produtivo necessário à criação das industrias modernas nos séculos XVII e XIX. Na verdade, como já foi apontado, trabalhos como esses dão uma base empírica mais elaborada para uma antiga tese marxista segunda a qual o acumulo primitivo (e coercitivo) de capital durante o imperialismo inglês foi necessário para o surgimento da então nova produção industrial inglesa. A diferença nesse caso são os detalhes (por vezes inesperados) desse processo e suas dimensões globais.

A nova abordagem da história da escravidão acaba por rejeitar a concepção (inclusive partilhada por alguns marxistas) de que as plantations representava um modo arcaico de produção. Brutal sim, arcaico não: Baptist reconta, por exemplo, como a produção agrária do sul dos EUA foi a principal fonte de financiamento para a pesquisa e desenvolvimento tecnológico do norte, e como sistemas sofisticados (e desumanos) de gerenciamento de produtividade eram levado à cabo de modo sistemático e racional pelos senhores de escravo do sul. Contudo, a principal inovação econômica, até então pouco abordada pelos historiadores, foi o conceito legal de propriedade de pessoas. A posse de escravos e o mercado que ela alimentava, incluindo a criação do primeiro mercado global de derivativos de títulos de propriedade de escravos, comercializados em Nova York e Londres, seria a principal fundação econômica do capitalismo industrial inglês e norte-americano - tão importante quanto o famoso processo de "cercamento" das áreas comuns no interior da Inglaterra.

A razão para isso é relativamente simples, mas normalmente negligenciada pela economia e pela historiografia convencional: a propriedade de um escravo incluía também o controle absoluto da reprodução sexual das escravas e, consequentemente, de seus filhos e filhas. Em uma sociedade escravagista, não apenas uma parcela da população humana é proprietária da outra parcela, como também essa propriedade garante a reprodução natural do capital por meio da reprodução sexual. A escravidão - e não as ferrovias ou a produção têxtil - foi o primeiro "grande negócio" da história do capitalismo.

Relacionado ao poder que investimento financeiro na posse de escravos garantia aos seus proprietários nos séculos XVII e XIX, está o seguro público desses títulos de propriedade. O segundo argumento importante da nova historiografia da escravidão é que o dinheiro das indenizações públicas aos ex-senhores de escravos também foram importantes na formação do capital industrial.

O historiador inglês Nicholas Draper e seu grupo de pesquisas na UCL montou o banco de dados Legacies of British Slave Ownership dedicado a rastrear o dinheiro da compensação aos ex-senhores de escravo ao longo das gerações inglesas. Draper mostra como o ressarcimento dos senhores de escravo, no então império inglês, foi a maior distribuição de recursos públicos da história da Inglaterra, compensando quase 40 mil proprietários e chegando à cifra de 20 milhões de libras (correspondentes à mais ou menos 17 bilhões na moeda de hoje). O valor foi equivalente a 40% do orçamento anual do governo inglês da épica e foi pago por meio de impostos. 

Ou seja, tal como no Brasil, não apenas os escravos não foram compensados, como seus ex-senhores tiveram suas perdas financeiras ressarcidas pelo dinheiro público. Parte importante da pesquisa de Draper é mostrar como esse dinheiro foi usado para financiar a expansão industrial inglesa e garantir a manutenção das antigas elites coloniais em plena revolução industrial. Seria extremamente interessante traçarmos essa genealogia no Brasil a fim de mostrar como as principais fortunas do Brasil "moderno" podem ter tido sua origem direta na exploração do trabalho escravo e, posteriormente, no subsídio do Estado.

De fato, sem esses dados, qualquer conclusão não passa de uma conjectura. Entretanto dois fatos podem servir de pista para essa conclusão. Em primeiro lugar, não temos casos movimentos revolucionários nem de guerras totais em nossa história, situações nas quais a riqueza de uma sociedade é destruída. Isto é, ao contrário do sul dos Estados Unidos no qual o trabalho escravo foi abolido pela força, e da Inglaterra que passou por duas guerras mundiais, nada indica que existam grandes mudanças na reprodução da concentração de riqueza ao longo do último século. 

Em segundo lugar, e voltando à relação entre dominação racial e elites políticas, não é segredo que parte das oligarquias políticas brasileiras encontram suas raízes no sistema colonial e pós-colonial brasileiro. Como mostrou o jornalista Pedro Doria,  as famílias Calheiros, Jucá e Sarney, atuais líderes do PMBD, entraram para a política muito antes da redemocratização:

"O primeiro engenho da família Calheiros, em Alagoas, data de 1730. O presidente Floriano Peixoto era descendente dos Calheiros de Mello. Sim: Mello. Como Fernando Collor de Mello. Avós e bisavós do presidente do Senado foram coronéis e majores da Guarda Nacional. O apelido de seu pai, aliás, era ‘major’ Olavo. Sua mãe, que é viva, se chama dona Ivanilda Vasconcelos. O primeiro casamento entre um Calheiros e uma Vasconcelos não foi o de seu Olavo. Foi o de João Gomes de Mello Calheiros com Sebastiana de Vasconcellos. É o casal que chegou a Alagoas em 1730. É assim que se faz uma oligarquia.

Romero Jucá é Romero Jucá Rego Lima. Embora o senador tenha nascido em Pernambuco e feito carreira política em Roraima, os Rego são uma oligarquia paraibana. Vital do Rego, atual ministro do TCU que veio do PMDB, é seu parente um quê distante. Lá atrás, Tobias do Rego Monteiro, que foi senador pelo Rio Grande do Norte, começou a carreira como chefe de gabinete de Rui Barbosa. O grande escritor paraibano José Lins do Rego não escreveu um romance chamado Menino de Engenho à toa."

A política de proprietários representada pelo governo interino Temer tem um objetivo explícito: ela busca manter o status quo econômico no interior da democracia mais desigual do mundo. Tarefa difícil. A política do Brasil contemporâneo mudou. Está mais indômita do que nunca. Para que isso dê certo, portanto, o governo dos sem-voto precisa fazer com que esqueçamos que a riqueza social brasileira tem em sua origem o roubo e a degradação humana de milhares de homens e mulheres negras. 

Coma ajuda da mídia oligopolizadas, eles precisam nos convencer de que a estabilidade econômica de uma ordem social profundamente injusta é a objetivo mais nobre da política brasileira. Tão nobre a ponto de suspender as instituições democráticas e reproduzir, por mais uma geração, a obra da escravidão.